Goethe-Institut Salvador inaugura residência artística

salvador-1197081_640Investir em relações humanas e culturais é um dos princípios do Goethe-Institut, instituto cultural da República Federal da Alemanha atuante globalmente e presente no Brasil em cinco cidades, dentre elas Salvador, desde 1962.

Após mais de 50 anos de atividade na capital baiana, uma nova frente de trabalho se consolida e representa um marco do diálogo entre o Brasil e demais países do hemisfério Sul a partir da presença de artistas de todo o mundo: trata-se do Programa de Residência Artística Vila Sul, que se torna o terceiro no âmbito das 159 unidades do Goethe-Institut existentes no planeta, e primeiro e único no “sul global”, abaixo da Linha do Equador.

A inauguração se dará no dia 16 de novembro, a partir das 19h, numa cerimônia festiva, abrindo as portas dos quatro apartamentos construídos no andar superior da bela sede localizada no Corredor da Vitória.

Para marcar o momento, estarão presentes o Presidente do Parlamento Alemão, Prof. Dr. Norbert Lammert; o presidente do Goethe-Institut, Prof. Dr. h.c. Klaus-Dieter Lehmann; o Embaixador da Alemanha no Brasil, Dr. Georg Witschel; e a Cônsul Geral da Alemanha em Recife, Maria Könning. Também marcarão presença a Cônsul Honorária da Alemanha em Salvador, Dra. Petra Schaeber, e a diretora regional do Goethe-Institut, Dra. Katharina von Ruckteschell.

“O Programa de Residência Artística do Goethe-Institut busca contribuir para a promoção de diálogos entre artistas e diferentes populações, possibilitando intercâmbios que engrandecem suas experiências e olhares sobre o mundo”, resume Manfred Stoffl, diretor do Goethe-Institut Salvador-Bahia. “A intenção da Alemanha, ao investir nisso, é atuar em vivências contemporâneas, de modo global, que promovam a colaboração, a liberdade de expressão e o poder social da cultura”, completa.

Ao longo de 2016, 12 artistas já realizaram atividades da residência, numa temporada de experimentações deste processo. Inaugurando a hospedagem de fato, estão instalados, desde outubro, cinco residentes: Adolphe Binder, romena radicada na Alemanha, curadora, dramaturga e produtora, diretora artística do Tanztheater Wuppertal Pina Bausch; Grada Kilomba, escritora, teórica e artista interdisciplinar portuguesa, que trabalha com questões de gênero, raça, trauma e memórias; e mais três alemães: o cientista político Christoph Bieber, que pesquisa sobre ética, responsabilidade política, transparência, comunicação pública, democracia e novas mídias; o cenógrafo e figurinista Jürgen Kirner; e a curadora e dramaturga em dança e teatro Sigrid Gareis.

Serão recebidos, de dois em dois meses, um grupo de convidados internacionais. A princípio, os residentes – artistas e pesquisadores, bem como jornalistas e interdisciplinares – não se candidatam: eles são nomeados por meio de um processo de indicação da rede internacional do Goethe e de seus parceiros. Num futuro próximo, porém, um júri local responderá por esta seleção.

Foto: CC/Pixabay/joelfotos

 

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.