Alemanha é 8ª no ranking de custos laborais da UE

Segundo o Escritório Federal de Estatísticas da Alemanha (Destatis), os empregadores do setor privado alemão pagaram, em média, €31 por hora de trabalho dos seus empregados em 2012, o que coloca a Alemanha em 8º lugar no ranking dos custos de mão de obra da União Europeia (UE). De acordo com o órgão, os empregadores alemães pagaram 32% mais por hora de trabalho do que a média da UE, mas 11% menos do que a vizinha França, por exemplo. O topo do ranking europeu é da Suécia, com um custo de €41,90/hora, e a última posição, da Bulgária, em que a hora de trabalho custa, em média, €3,70.

No tocante à indústria manufatureira, que está particularmente sujeita à competição internacional, o preço médio da hora de trabalho na Alemanha ficou em €35,20 em 2012. Neste quesito, o país ficou em 5º lugar no ranking, pagando 47% mais do que a média europeia – mas ainda 3% menos do que a França.

Entre 2001 e 2010, o crescimento anual do custo de mão de obra na Alemanha ficou abaixo do da média da UE. Em 2011 e 2012, no entanto, essa tendência se reverteu, e o aumento do custo laboral na Alemanha foi maior do que o europeu. Isso pode ser mostrado, segundo o Destatis, na comparação com a França. De 2001 a 2010, o crescimento do custo de mão de obra na França (pouco abaixo dos 35%) foi mais que o dobro do crescimento na Alemanha (+16%). Já em 2011 e 2012, o aumento na Alemanha (+5,9%) foi ligeiramente maior do que na França (+5,4%).

Os custos laborais são compostos pelos salários brutos e por custos não-salariais. Em 2012, os empregadores alemães do setor privado pagaram um adicional de €27 de custos não-salariais por €100 de salários brutos. A Alemanha ficou, assim, abaixo da média da UE no quesito (de €32), e figura em posição intermediária do ranking, em 16º lugar. Os maiores custos não-salariais por €100 são pagos na Suécia (€51) e na França (€50), e os menores, em Malta (€10).