Thomas Schmall é eleito presidente da AHK-SP

Em  Assembléia Geral Ordinária realizada hoje pela Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo, Thomas Schmall, presidente da Volkswagen do Brasil, foi eleito seu novo presidente.  Schmall sucede a Weber Porto (Presidente da Evonik na America Latina ) que ocupou o cargo por dois mandatos sucessivos (2009/11 e 2011/13). Junto com Schmall foram eleitos os novos vice-presidentes:  Dr. Wolfram Anders (Robert Bosch Ltda.) , Marcelo Lacerda (Lanxess), Gabriel Leupold (Deutsche Lufthansa), Reinhard H. Riegel (Commerzbank  São Paulo) e Paulo Ricardo Stark (Siemens Ltda).  De acordo com os estatutos da institução, todos  exercerão seus cargos durante dois anos. Thomas Timm, representando a Confederação Alemã das Câmaras de Comércio e Indústria, continuará na posição de vice-presidente executivo.

O novo presidente  é o terceiro executivo da montadora alemã a assumir a chefia da Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo (AHK São Paulo). Antes dele foram presidentes Friedrich-Wilhem Schulz-Wenk (1966/69) e Wolfgang Sauer (1974/77).

Eventos 2013/2014

Thomas Schmall exercerá a presidência da AHK São Paulo em um período que será muito promissor para a já tradicional parceria bilateral. Em maio de 2013, São Paulo sediará o 31º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, principal iniciativa envolvendo empresários e representantes de governo dos dois países. Organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com a sua congênere alemã, a Confederação Alemã da Indústria (BDI), e apoio da Câmara Brasil-Alemanha,  o evento  deve reunir 1.500 participantes. Ministros de estado dos dois países deverão estar presentes, assim como Joachim Gauck, presidente da República Federal da Alemanha.  Sua vinda ao País já está confirmada, inclusive para  também presidir a abertura oficial  do  “Ano  Alemanha + Brasil 2013/2014”, ao lado da presidenta Dilma Rousseff.

A programação do “Ano Alemanha + Brasil“,  com o tema  “Quando ideias se encontram”, estender-se-á de maio de 2013 a maio de 2014, envolvendo as principais cidades brasileiras.  Com o objetivo de ampliar e aprofundar as relações entre os dois países, pretende-se dar maior visibilidade à cooperação e incentivar novas parcerias, apresentando sugestões para um futuro comum. Em um mundo em rápida transformação, a proposta é elaborar em conjunto  respostas e ideias sustentáveis para a vida nas próximas décadas: quais são os desafios para o futuro em questões relativas à mobilidade, urbanismo, na área de saúde e nutrição, energia e eficiência energética e outros assuntos ligados à sustentabilidade.

Relações Brasil-Alemanha

A Alemanha é, tradicionalmente, o mais importante parceiro comercial do Brasil na Europa e um dos mais importantes no mundo.  Na América Latina, o Brasil é o maior parceiro da Alemanha, tanto em termos de comércio quanto de investimentos.

Na última década (2002 – 2012) as exportações brasileiras para a Alemanha quase triplicaram, apresentando um crescimento acumulado de 186% no período. Isso, mesmo considerando que os resultados de 2012 (US$ 7,3 bilhões), devido à conjuntura mundial,  representaram uma queda de 18,9% na comparação com 2011 (US$ 9 bilhões).  No mesmo período (2002 – 2012), as importações da Alemanha pelo Brasil cresceram 194%, passando de US$ 4,4 bilhões em 2002 para US$ 14,2 bilhões em 2012.

O empresariado alemão também tem acompanhado com interesse a evolução da situação econômica do Brasil.  Prova disso são as quase 200 empresas alemãs de pequeno e médio porte que se instalaram no País no período de 2010/2012.  Sua presença deve-se, entre outros fatores, à atividade da Câmara de atrair e organizar viagens de delegações empresariais alemãs ao Brasil.  Nos últimos quatro anos, quase 250 delegações empresariais alemãs estiveram no País a procura de novos negócios e parcerias.

Hoje, 1.400 empresas de capital alemão atuam no Brasil. Elas empregam 250.000 funcionários e são responsáveis por 10% do PIB industrial do País.  Os setores econômicos com maior presença alemã  incluem: indústrias automobilística e de autopeças, química, farmacêutica e também as áreas de energia e máquinas e equipamentos. Já entre os “novos setores” que despertam interesse do empresariado alemão, estão as áreas de tecnologia médica, eficiência energética   e energias renováveis.